Google
Notícias Corporativas

Zonas Rurais e cidades pequenas tem dificuldade de acesso a Internet

De acordo com estudo do Instituto Locomotiva e da consultoria PwC, 33 milhões de brasileiros não possuem acesso à internet, o que corresponde a 20% da população brasileira com mais de 16 anos. O número de desconectados no país ainda é alto para se falar de acesso igualitário à internet – ainda mais quando esse grupo é formado majoritariamente por pessoas negras, que estão nas classes C, D e E, e que são menos escolarizadas.

Zonas rurais, remotas e de difícil acesso são mais afetadas pela dificuldade de conexão com a internet de boa qualidade.  Por conta da necessidade de alto investimento para infraestrutura, esses locais exigem esforços para a estruturação de uma rede, pois exige a conexão de rádio, instalação, manutenção das torres e instalação de energia solar. No caso da fibra ótica, que vem sendo bastante utilizada, principalmente em regiões com clima mais quente, é necessária a construção ou o aluguel de postes em uma extensão territorial grande com a finalidade de oferecer uma conexão estável e de boa qualidade.

Segundo o estudo Fronteiras da inclusão digital, realizado pela Anatel e o Programa de Acesso Digital (DAP) do Governo Britânico, 66% da população com 20 mil habitantes não tem acesso à internet, várias barreiras citadas acima são causas desse número ser tão alto e presente em regiões mais afastadas, porém a educação e familiaridade desses moradores também contribui, pois, a forte presença do rádio nessas regiões ainda predomina como veículo principal para acesso a informações.

“Pode parecer insignificante, mas não ter acesso à internet, ou qualquer dificuldade relacionada a isso, traz uma série de prejuízos, principalmente em um mundo onde ela faz parte da nossa rotina. Atualmente, tudo é feito no universo on-line: reuniões de trabalho, aulas, consultas médicas e até compras. Por isso, estar desconectado é também uma forma de estar excluído socialmente”, diz Fernanda Hikawa, gerente de Contas da Zyxel Brasil, multinacional na área da tecnologia.

Google

Uma iniciativa do Ministério das Comunicações, em parceria com a Telebras, traz uma tentativa de solução para a questão: o Wi-Fi Brasil. Por meio da instalação de pontos de internet e roteadores em instituições e locais públicos, o programa do Governo Federal tem objetivo de levar a internet a localidades no país com pouca ou nenhuma conexão.

A medida já é um passo para a mudança, mas pode ser otimizada através do uso da tecnologia de access points, dispositivos utilizados para estender a cobertura de internet sem fio. A ideia principal desta tecnologia é levar para esses locais internet de boa qualidade, assemelhando-se a smart cities (Cidades Inteligentes), onde vários locais possuem pontos de acesso à internet que permitem conexões e integrações com diversos serviços públicos. Um exemplo de uso dessa tecnologia é o caso da cidade de Tarumã, no interior de São Paulo, onde foram instalados mais de 120 access points. O projeto foi inspirado em Smart Cities da Europa e oferece internet sem fio gratuita para cerca de 15 mil habitantes. Ainda, a iniciativa contribui para avisar o município sobre campanhas de vacinação e oferecer outros serviços públicos.

“O Brasil necessita de tecnologia acessível e inteligente para transformar locais públicos em áreas conectadas, tanto para cidadãos como para a gestão. O investimento em access points vem crescendo fortemente nos últimos 5 anos. Um access point inteligente pode se conectar com mais de 500 dispositivos em um raio aproximado de 200m2 de maneira uniforme e segura, minimizando o investimento em infraestrutura”, diz Fernanda Hikawa

Facebook Comentários

Google

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Os anúncios ajudam a manter o site ativo e o conteúdo gratuito, por favor desative o bloqueador para ter acesso ao conteúdo